RESENHA: O Lobo da Estepe: Hermann Hesse

 
O Lobo da Estepe, livro do escritor alemão nobelado Hermann Hesse (1877-1962), autor de outras obras célebres como Demian e Sidarta, é uma narrativa de dissecação de um tipo, em todos os ângulos possíveis, seja pelo olhar externo do coletivo que o cerca ou pelo exame minucioso da dinâmica do universo interno, psicológico, do ser em análise, no caso, Harry Haller (a semelhança com o nome do autor não é mero acaso, trata-se de uma espécie de alter ego, já que tem a mesma idade que Hesse quando iniciou a escrever esse volume, 50, aliás, a persona do autor está diluída em vários personagens) um brilhante intelectual recatado, socialmente inepto em razão de seu pudor excessivo desenvolvido por sua timidez homérica, que o faz crer que sua integridade moral está atrelada ao isolamento e ao consumo inveterado de Goethe e Mozart.
 
O livro é dividido em três partes sendo a primeira dedicada a narrar à chegada do protagonista em uma estada temporária em uma pensão sob o ponto de vista dos proprietários, em especial por parte do sobrinho da dona do imóvel.
 
A segunda parte leva o leitor a se familiarizar com esse universo sob a perspectiva de Haller e, claro, a conhecer pormenorizadamente sua substância interna, a sua visão de mudo, suas predileções, seus temores, desgostos, vontades e o porquê de cultivar certos hábitos. É também o trecho que vem a conhecer o manifesto do Lobo da Estepe, uma teorização com tom doutrinário sobre uma persona supliciada por um conflito interno na qual se divisa o Lobo, responsável por depreciar todas as tentativas de interação duradoura com o mundo externo no afã de persuadir seu lado humano de afastar-se da civilização, pois deseja satisfazer suas vontades de lobo, dentre elas, a de permanecer em solidão serena, e o Homem, que é tentado a estabelecer vínculos, em inserir-se na sociedade sem qualquer tipo de reserva. Manifesto que o impacta profundamente e desperta o desejo de conhecer os autores da publicação e de modificar o seu estilo de vida.
 

 

O terceiro ato debruça-se sobre o seu relacionamento com a jovem Hermínia que se propõe a ajudá-lo a se libertar de sua metade Lobo o forçando a se submeter por situações que lhe são muito custosas, mas que na verdade tratam-se de algo banal aos mais simples de espírito, corriqueiro, como dançar em um baile de máscaras, relacionar-se amorosamente com uma desconhecida. Nesse capítulo é convidado a conhecer uma casa de espetáculo singular orquestrada por um dos amigos de Hermínia, local onde passa por situações únicas.
 
Os primeiros 2/3 do livro é espetacular, genial, não é exagero. Como dito acima é um retrato riquíssimo de uma personalidade arguta tanto sob o prisma do meio social que o cerca, que vive em uma sintonia, um ritmo de vida, comum a todos, contrastando com o mundo a parte que o intelectual se prende, tanto sob a ótica do próprio que parece infiltrar-se na mente do leitor e emular o seu modo de pensar de tão preciso, minucioso, franco, despido de qualquer pudor a narração se mostra ao escaneá-lo por dentro.
 

Tenho a convicção de que quando uma fotografia de determinada pessoa consegue passar mais sobre ela ao expectador do que um depoimento, uma descrição, um texto significa que o escritor fracassou no seu trabalho. Tenha a certeza de que não há imagem no mundo capaz de dizer mais sobre o tipo em questão do que essa maravilha de Hermann Hesse.

 
Outro fator que impressiona é a linguagem empregada pelo autor, e nisso cabe prestar honraria a tradução da Bestbolso. É envolvente, cativante, prazerosa de ser lida e aliando a incrível clareza, objetividade de Hesse para tratar de assuntos por vezes intrincados, abstrusos, transmite uma sensação eufórica no leitor de estar consumindo, sem enfado, dezenas de páginas em uma cadeirada só sobre temáticas pouco difundidas, eruditas, raras; o fazendo se sentir especial, de que está aproveitando bem o seu tempo, que ao terminar a leitura, vai se levantar mais enriquecido.  
 
Somente com uma linguagem agradável seria possível manter a atenção do leitor sobre um enredo que versa por questões tão particulares, introspectivas, porque dá-se a impressão, durante a leitura, que na verdade o que se consome não é uma obra ficcional, mas um ensaio acadêmico, um imenso artigo de um douto em psicologia porque a descrição de ambientes e de aspectos físicos dos personagens são brevíssimos, enxutos, a narração se dedica quase que integralmente nas divagações, nos raciocínios de Harry Haller, as suas reações internas ante aos acontecimentos esporádicos. Sem um texto mavioso, perseverar na leitura seria tarefa hercúlea.
 
É o êxito de conseguir dá vida, captar a atenção do público para esses tipos de estórias de digestão árdua que fornece os indícios necessários para distinguir os excepcionais do restante. 
 
 
O ato final deixa um pouco a desejar, mas o grau de acerto nas duas primeiras partes é tão retumbante que torna a terceira perdoável (embora será considerada ao avaliar no Skoob, por exemplo).
 
Sem querer dá informações em excesso que possa prejudicar na apreciação da estória, Haller é apresentado a um ambiente fantástico que o leva a vivenciar situações inusitadas, extravagantes, aparentemente sem nexo, sem coerência com a realidade. É uma clara alusão ao psicodelismo delirante consequente do uso de substâncias estimulantes e viciosas, mas que são muito fora da curva, muito estranhas, que desperta inquietação, constante intriga, inquietamento que nunca é desfeito porque respostas não são dadas, a clareza de início dissipa-se e resta ao leitor o esforço solitário de tentar a partir de suas capacidades emoldurar um significado que dialogue com o que fora exposto até esse ato final; o que não seria grande problema se fosse um recurso narrativo casual, mas são várias ocasiões, ocorrências que se sucedem a outras e que necessitam desse esforço para o leitor sentir-se a par do que realmente ocorre. E isto tem o efeito de chatear porque de repente o amante das letras ver-se a margem do universo narrado, o que prejudica a imersão e faz parecer que o volume do texto é mais extenso do que realmente o é.
 
Se você já experimentou e aprovou Dostoievski, Clarice Lispector, Kafka (achei o estilo de linguagem bem semelhante com este), gosta de leituras de viés intimista, está atrás de uma obra literária que te acrescente algo ao seu término, O Lobo da Estepe é o que procura.  

Assine a newsletter!

Quer receber conteúdo exclusivo sobre literatura, curiosidades, dicas de leitura, contos gratuitos, trechos de livros e participar de promoções e sorteios? Basta assinar a minha newsletter.

Leva menos de 2 minutos.

Chuva, asfalto, moto e bomba!

Lennon-Catástrofe-no-coração-da-república

Está disponível na Amazon, gratuitamente pelo Kindle Unlimited, meu livro “Catástrofe no Coração da República (das bananas)”. Um suspense político com muita chuva, asfalto, moto e… bomba!

Para ler a sinopse e solicitar uma amostra grátis, clique aqui.

Agradeço a leitura.

Abraço.

 

 

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s