RESENHA: Indigestos – contos gástricos. Flávio Karras

O que saiu da Cartola Cultural essa semana foi um livro de contos que adquiri em uma leva de aquisições no Choque Literário, feira de editoras independentes, pequenas e médias organizada pelo grupo Coesão Independente e que foi realizada em abril deste ano: Indigesto – contos gástricos de Flávio Karras.

A experiência na feira foi muito proveitosa porque foi a primeira que participei como autor e fazendo parte da Associação Brasileira de Escritores de Romance Policial, Suspense e Terror (ABERST). Pude ver de perto a organização do evento, conhecer pessoas interessantes na área e ter contato com trabalhos nacionais produzidos atualmente.

Era algo que me cobrava principalmente para colocar aqui no blog: não tinha ideia do que estava sendo produzido no Brasil contemporâneo e também não tinha a noção de que o mercado independente está bem organizado, oferecendo material de qualidade que poderia está muito bem em qualquer livraria. Você olha para capa e nem imagina que é um livro sem editora, tal o profissionalismo do trabalho.

Ingenuidade de minha parte, confesso, pois não exige muito esforço de imaginação pensar que se o desenvolvimento tecnológico e sua posterior acessibilidade afetou positivamente várias áreas, porque não o faria com o mercado editorial?

Indigesto capa (1)
Versão impressa de Indigesto – contos gástricos

As vantagens de obras contemporâneas e nacionais

Espero conhecer, alimentando esse interesse por obras contemporâneas nacionais, boas novidades e apresentar aqui para o público para que tenha mais opções do que o circuito comercial, em sua maior parte constituída por clássicos e por obras estrangeiras, tem a oferecer.

Ser composto por clássicos não tem problema nenhum, mas até mesmo os clássicos se esgotam se for um leitor voraz e também não há problema quanto as obras estrangeiras. No entanto, muitas vezes, privilegiamos obras gringas por simplesmente serem gringas.

O nome estrangeiro é tratado como um selo de qualidade sendo que, em muitos casos, não passam de obras água com açúcar que várias obras nacionais não devem absolutamente nada – e melhor: têm preços mais acessíveis. Especialmente as do circuito independente.

Indigesto dedicatória (1)
Dedicatória do autor feita na feira Choque Literário.

Outro aspecto favorável é o de se ter contato com estórias em universos que nos são familiares. É sempre um impacto se deparar com nomes, casos, ambientes que fazem parte de nosso cotidiano, do nosso dia a dia. O poder de imersão, as referências são muito mais fortes. Tive esse impacto lendo a coletânea Presentes Perigosos, que inclusive tem conto do autor do livro que trago hoje a mesa: Indigesto – contos gástricos.

Também ressalto como aspecto positivo de se consumir literatura nacional contemporânea a atualidade de temas que nos são pungentes. E no caso do circuito independente a diversidade, a variedade de temas, a ousadia de alguns projetos sobra em relação ao mercado mainstream, afinal, são menos pessoas dando pitacos, é natural que os autores não esperem recordes de vendas imediatas e se sintam confortáveis para usar e abusar da liberdade criativa.

Ou seja, há menos amarras.

Indigesto – contos gástricos

Claro que ser independente não é garantia de qualidade, pois se aumenta muito o risco de se deparar com obras amadoras, pessoas que não levam muito a sério o trabalho, encaram a escrita como um hobby. Mas há aqueles que encaram a escrita com a seriedade que merece para proporcionar obras de valor.

Por isso, julgo importante o trabalho dos blogs de dá os seus 2 centavos sobre esses tipos de obras para direcionar bem o público e não se criar generalizações injustas.

Então, vamos lá: do que se trata Indigesto – contos gástricos do autor Brazuca Flávio Karras?

Como deve ter notado é um livro de contos, 13, distribuídos por 144 páginas, que giram em torno de um tema: situações indigestas. Normalmente materializadas, simbolizadas, por uma matéria orgânica, usualmente comestível ou não, mas como o próprio Karras levanta o ponto: o que é indigesto para você? “Uma comida ruim ou uma palavra azeda”.

Então nos deparamos com estórias cujo eixo é o de situações limites que podem, literalmente, cair de forma muito indigesta na vida de seus protagonistas.

O que achei de positivo de Indigestos – contos gástricos

Felizmente há muitos pontos positivos de Indigestos – contos gástricos. Então vamos começar por eles.

Fluidez

O que gostaria de primeiro apontar sobre o trabalho de Karras é a fluidez de sua escrita. Já tinha notado essa qualidade no seu conto da antologia natalina da editora coerência.

E mais uma vez essa qualidade está presente em seu trabalho solo.

Você ler sem vontade de conferir quantas páginas faltam para acabar o conto ou quantas já leu para se sentir bem consigo mesmo na tentativa de convencer-se de que já leu o bastante.

Não, o ritmo da narrativa conduz o leitor como se estivesse ouvindo uma boa harmonia de instrumentos musicais, cada nota sendo bem executada e fazendo o seu papel. As informações são bem encadeadas com linguagem simples, eficiente e cativante.

Sem dúvida isso torna a leitura mais palatável, deleitosa, a despeito dos temas muitas vezes indigestos.

Imprevisibilidade

Karras transborda criatividade.

Apesar das estórias terem um tema em comum, são bem distintas e se diferem não só em conteúdo, mas também na forma. Isso confere um grau de imprevisibilidade muito interessante porque você realmente não sabe o que esperar, pois tudo parece possível.

Em um conto você se depara com um sujeito obcecado por limpeza que vive o martírio de receber invasores (visitas) em sua casa, na página seguinte você pode está na pele (ou no doce) de um brigadeiro, de um gato com ambições grandiosas ou na de uma mulher maltratada pela vida, e por uma apresentadora de programa culinário com seu bicho de pano tagarela, que passa a viver literalmente de sol.

Suspense, fantasia, terror, horror.

O absurdo não é um problema para Karras.

O que aumenta muito o rol de possibilidades.

View this post on Instagram

Olar…

A post shared by Flávio Karras (@flaviokarras) on

Temos contos em formatos para todos os tipos, mas que se mantêm sempre no tema proposto: lineares, em forma de poesia ou com ordem cronologia inversa, para ficar em alguns exemplos.

Aliás, faço uma menção ao conto “Rebobinando” que achei excelente e uma boa amostra do poder criativo do autor.

Ousadia

A mente fecunda aliada a total liberdade criativa gera textos originais, mas também arriscados.

É um livro de extremos, de um cara que não tem medo de experimentar, de trilhar caminhos pouco convencionais. O resultado é: ou você vai se surpreender e se identificar, comprar a ideia e curtir, ou vai lhe parecer intragável.  Isso pode ser visto nas avaliações da obra na Amazon, Skoob etc, mas jogo luz que a maioria é favorável.

Tem gente que amou, “puxa, é o melhor livro que li há tempos” ou “não me identifiquei nenhum pouco, é realmente indigesto”. É difícil encontrar um meio termo.

Particularmente, eu tive mais experiências positivas e tenho admiração por pessoas que procuram fugir do comum, da zona de conforto, tentar e ver o que acontece. Grandes ideias, estórias surgem assim. Se não funcionar, vida que segue, colhem-se as informações, os bons feedbacks e bora pra próxima.

É um livro que sinto energia, cara. Mexe com você, não é uma obra que lhe deixa indiferente. E coragem tem sempre que ser aplaudida.

Se procura por algo fora do convencional, Indigesto – contos gástricos será uma boa pedida, a depender de seu gosto.

Vou esmiuçar isso logo abaixo.

Humor

Outro ponto forte do livro é o bom humor.

Permeia todo o volume, é perceptível logo na contracapa, e aparece de forma muito natural, orgânica, coerente, não desfigurando o tom ou o ritmo dos contos.

É um humor negro misturado ao escatológico. Por isso, não é pra todo mundo. Comigo funcionou a maioria das vezes, mas entendo quem não curta muito porque é uma questão de estilo.

É uma narrativa desbocada, de forma alguma pode ser vista como careta, não se furta de utilizar gírias e palavrões quando entende oportuno, e nem de cair de cabeça em situações no mínimo grotescas.

Se você gosta ou está a procura de estórias com situações bizarras regadas com sangue e humor negro, Indigesto – contos gástricos, Flávio Karras, é a dica.

Crítica social

E mais um ponto a favor do trabalho de Karras é o de não se limitar ao entretenimento pelo entretenimento.

Há crítica social no fundo de suas estórias e críticas num tom que não torna o livro panfletário e nem indiferente.

São introduzidas de forma a gerar um bom equilíbrio.

O livro, a sua maneira particularíssima, fala da desumanização das políticas públicas higienistas, da qualidade de vida sedentária e digitalmente reclusa das novas gerações, do tratamento humano dispensado aos animais, para ficar em alguns exemplos.

O conto que melhor, creio, utiliza esse ingrediente é o “Os dois lados da mesa”, conto, aliás, que pode ser visto como um condensado de todas as qualidades do autor: inventividade, fluidez, humor e crítica social.

Relata a estória de um morador de rua pego em meio a uma nova política pública que visa conter os gastos do erário com tipos de sua estirpe. Propõe, por exemplo, nutrição a base de víveres produzidos com restos de outros alimentos.

Uma ração humana.

Claro que é uma ideia que só pode sair de uma cabeça que “cabe tanta porcariada”, como diria a mãe do autor.

Imagine que uma autoridade política iria ter a desfaçatez de propor algo do tipo e ainda ser eleito para voos mais altos dentro da política nacional.

Imagine…

Edição

Como mencionei acima, a qualidade do material não faz feio para nenhum livro de editora.

É uma edição simples, mas bem feita e vem com orelhas.

Páginas amareladas e boa diagramação.

É preciso dizer que tem a versão digital, tem venda em e-book, colocarei os links mais abaixo.

Estou focando no impresso, porque li a versão impressa.

View this post on Instagram

#Repost @keniacandido728 (@get_repost) ・・・ Olá pessoal!  Hoje no blog Histórias Existem Para Serem Contadas trago a resenha  sobre o livro Indigesto: Contos Gástricos, escrito pelo autor nacional @flaviokarras  publicado de forma independente no site Amazon. Indigesto é uma coletânea de 13 contos com doses de terror, fantasia e vários toques de humor leviano. Este livro é o meu primeiro contato com a escrita de Flávio Karras e só tenho elogios com a obra, pois  foi completamente surpreendente pela criatividade. Cada conto traz uma ótima dose de mistério, para quem realmente gosta de terror, Indigesto é uma ótima obra. Com histórias  bem construídas, muita criatividade  e personagens interessantes. Gostei de todas as histórias, porém A Asa de Barata, O Brigadeiro, Promessa e  Descomendo Alice merecem destaques.  Enquanto o leitor caminha através das outras histórias até chegar ao desfecho do livro, vai presenciando situações excêntricas, a leitura  tornar-se totalmente  ágil e fantástica. Flávio conseguiu me apresentar um banquete de histórias macabras. Recomendo. ★★★★★♥ ( Resenha completa no blog. ) #listadefavoritos #lidos2018 #leiturafinalizada #amazon #indigesto #contos #contosgastricos #flaviokarras #terror #suspense #horror #resenha #instabook #livrosdigitais #instalivros #autoresindependentes #livrosdeterror #historiasexistemparaseremcontadas #gore #horror #eleNão #eleicoes2018

A post shared by Flávio Karras (@flaviokarras) on

A arte da capa passa bem a mensagem que tem que passar, o espírito do livro. É chamativa e achei de bela coloração.

E a arte interna para marcar a transição de contos também cumpre com o seu papel. É congruente com a proposta.

O que achei de negativo em Indigestos – contos gástricos

Foram pouquíssimos, mas acho que vale a pena mencionar.

Animais e objetos inanimados

Eu sei que é algo meu, portanto, não dá pra apontar como um ponto falho indiscutivelmente.

Como disse mais acima, o livro é bem avaliado com muitas notas máximas e não se trata de avaliações feitas pela titia ou pela vovó, já tem uma amostragem grande.

Mas eu não curto estórias que tenham animais como protagonistas, que interagem como se fossem humanos. Eu sempre tenho dificuldade de me sentir imerso na narrativa e aqui não foi diferente. O mesmo quanto aos objetos inanimados.

Mas como eu disse: isso é algo meu. E são apenas alguns contos. Se você encara esse tipo de enredo numa boa, não vai ter problema com isso.

Revisão

Cara, eu sei como esse negócio de revisão é complicado. Já trabalhei em redação de revista e tenho livro publicado.  E uma coisa que eu aprendi é: não importa quantas vezes você revise, sempre vai encontrar uma maldita palavra, um maldito, acento, uma maldita vírgula que você deixou passar.

É incrível!

Você revisa, revisa, revisa, publica e chega um belo dia que você vai, por algum motivo, folhear o texto, revisitar o artigo e tá lá a bandida rindo da sua cara.

Por isso, tenho a política de dá toda a minha vida a um texto até hora de publicar, depois, enterro. Porque se eu for revisitar sempre vai aparecer alguma coisa que me incomoda e voltarei a ter mais trabalho com algo que já trabalhei a exaustão.

Esquece.

Por isso, não fico me apegando a ninharias, sendo muito exigente com erros vadios que venho a encontrar. Por que sei que isso ocorre. É o mesmo caso da presente obra. São erros esporádicos e que não prejudicam o ritmo ou a imersão da leitura. Não se trata de algum integrante do clã Bolsonaro, o Carluxo, tentando redigir ou revisar um texto.

Longe, muito longe disso.

E porque, então, trago esse ponto?

Porque o volume, pelo que está creditado, recebeu duas revisões, de profissionais diferentes. A tradicional, básica, e a revisão final. Considerando que é um livro relativamente curto, acho importante colocar esse ponto até para o planejamento dos próximos trabalhos.

Conclusão sobre Indigestos – contos gástricos

Sempre pondero que em livro de contos é normal que você se conecte mais com algumas estórias do que com outras. O que tem que ser avaliado, no meu entender, é a experiência geral, se a maioria dos contos agradou. E no caso de Indigesto – contos gástricos a minha experiência foi positiva, acima da média.

Enxerguei várias qualidades na escrita do autor, que veio a confirmar a boa impressão que tive no primeiro contato com o seu trabalho na coletânea Presentes Perigosos. E acompanhando suas redes sociais percebe-se que é um cara que leva a sério o trabalho de escrita, que se dedica na sua carreira literária.

Portanto, recomendo a leitura, principalmente se procura algo original, ousado, mórbido, bizarro, maquiavelicamente engraçado e violentamente indigesto.

Onde encontrar Indigesto – contos gástricos

Ou nas suas redes sociais:

Mais sobre Indigestos – contos gástricos:

É isso galera. Até a próxima!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s